-----Original Message-----
From: Pedro Fonseca [mailto:pf@pedro-fonseca.com]
Sent: Friday, July 18, 2003 12:29 PM
To: kung-fu-toa@yahoogroups.com
Subject: [kung-fu-toa] Técnicas de luta

 

Gostava de colocar uma questão ao grupo. Quando combatemos

com alguém que utiliza uma técnica ainda desconhecida para

nós devemos:

 

i) esquecer aquilo que já conhecemos, uma vez que não se

aplica, e tentar encontrar uma nova técnica que consiga

defender e/ou penetrar na técnica do adversário

 

ii) concentrarmo-nos naquilo que já conhecemos e ver como é

que o que já conhecemos se pode aplicar à nova técnica que

vemos.

 

iii) uma terceira opção?

 

Gostava de saber a vossa opinião, quanto a mim, descobri

recentemente que nunca posso 'deixar de ser aquilo que sou',

mesmo que não resulte!! (e raramente resulta ;) Pronto, em

todo o caso, penso que às vezes é preferível perder uma luta

mas 'integrar' uma nova técnica dentro do 'arsenal' que já

tínhamos disponível, do que simplesmente tentarmos 'fazer

como o outro', caso em que a luta deixa de ser uma expressão

individual e passa a ser um mero jogo.

 

 

-----Original Message-----
From: Pedro Fonseca [mailto:pf@pedro-fonseca.com]
Sent: Monday, July 21, 2003 4:43 PM
To: kung-fu-toa@yahoogroups.com
Subject: RE: [kung-fu-toa] Re: Técnicas de luta

 

Oi Navid!!

 

" Logo e como em tudo, o segredo está em adaptação e

estratégia. "

 

Era isto precisamente que estava em causa. Será que devemos

pôr o ênfase na 'adaptação' porque não podemos esqueçer a

nossa técnica. Ou será que de facto muitas vezes os combates

'correm mal' porque perdemos a nossa técnica precisamente

porque nos queremos 'adaptar' ao outro?

 

Não estou a falar no teu caso (até porque creio não ser esse

o teu caso) mas eu tenho encontrado algumas pessoas (e eu

próprio) que se 'assustam' ou desconcentram quando lhes é

apresentada uma técnica demasiado rápida / agressiva / com

muitos 'blufs' / ou quando simplesmente dizemos 'agora é a

sério' ou 'agora é que é'. Tenho reparado que muitas pessoas

nessas circunstâncias perdem a concentração e o excelente

nível de defesa e ataque que demonstravam até aí,

precisamente porque se tentam 'adaptar' ao que vem aí.

 

O que penso ter descoberto é que uma solução para isto é

nunca nos esquecermos das nossas técnicas principais,

porque, o que quer que 'venha aí' será com elas que

poderemos lidar com isso. (e descubro muitas vezes que as

'velhas técnicas' são muitas vezes capazes de lidar com a

novidade muito melhor do que pensamos.) Por outro lado, este

'centrar-se' em si próprio torna-nos (parece-me)

paradoxalmente mais abertos para compreender e até antecipar

o outro.

 

Isto é a minha experiência mas talvez seja diferente da de

outros.

 

Um grande abraço,

Pedro.